A Imprevisibilidade Das Coisas (2022)

A imprevisibilidade das coisas como nosso maior combustível e a necessidade de reinventar formas para fundar uma nova posição no mundo.Como é que a minha ação / gesto vai desencadear uma transformação no outro. Que ação devo tomar para implicar no outro uma reação espontânea sem o anular? Ou podemos alterar tudo sem implicar o outro? Há limites ou podemos transgredir? É um jogo que temos que saber jogar, mas conseguimos jogar sozinhos ou precisamos sempre da presença do outro? Até que ponto consigo colocar-me no lugar do outro?Jogar e transformar. Uma tentativa de lidar com as transições, transformações, transgerações, transgressões, transparências, trânsitos, transpiração, transferências, transtornos, transe. Transitar, ato comum e necessário no quotidiano que remete a essa extensão espacial e corporal, possui o radical trans, que indica ir além de um obstáculo. Transitar de um lado para outro, vencer distâncias, representa externamente o transitar interior, necessário por causa da dualidade entre mundo interior e mundo exterior criado pelo humano, também um obstáculo. Esse obstáculo dual impede que se tenha uma noção real de um lugar, de uma paisagem, assim “os ambientes humanos são (…) uma extensão de nosso próprio corpo, tanto pelo símbolo quanto pela técnica” (Berque, J.A, 1999).

Direção e coreografia: Elisabete Magalhães

Intérprete: Alunos do 1º Ano de Dança Balleteatro